segunda-feira, 11 de julho de 2011

Não: Não Digas Nada!

Não: não Digas Nada! é um poema de Fernando Pessoa,  cantado pela banda Secos e Molhados.

Não: não Digas Nada!
                                                                                                               Fernando Pessoa

Não: não digas nada!
Supor o que dirá
A tua boca velada
É ouvi-lo já

É ouvi-lo melhor
Do que o dirias.
O que és não vem à flor
Das frases e dos dias.

És melhor do que tu.
Não digas nada: sê!
Graça do corpo nu
Que invisível se vê.


http://www.pessoa.art.br/?p=464

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Entrevista com os alunos participantes do projeto que foi aplicado em sala de aula

PROJETO MÚSICA CANTA LITERATURA


Entrevista com Maria Suely, estudante da 8a série da escola São José. Na íntegra.
Ela responde perguntas sobre o projeto e assuntos relacionados a informática, inclusão digital e tecnologias.

____________________________________________________________________________


Entrevista com André, estudante da 8a série da escola São José. Com cortes.
Ele responde perguntas sobre o projeto e assuntos relacionados a informática, inclusão digital e tecnologias.

Entrevista com a Diretora Adjunta da Escola São Jose

Entrevista com a Ana Paula, diretora adjunta da escola São José. Agradecimentos.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

A Casa

                                                        A Casa Vinícius de Moraes






Era uma casa muito engraçada
Não tinha teto, não tinha nada
Ninguém podia entrar nela, não
Porque na casa não tinha chão
Ninguém podia dormir na rede
Porque na casa não tinha parede
Ninguém podia fazer pipi
Porque penico não tinha ali
Mas era feita com muito esmero
na rua dos bobos numero zero




 Interpretação de Maria Suely

O  poema de Vinícius de Moraes deixa-nos pensar em uma casa que só existe em nosso pensamento.
Ele  deixa-nos navegar em nossas imaginações, em rios  de pensamentos, pois  não podemos ver uma casa que não tem  parede nem si quer  teto, deixa-nos á imaginar esta casa de numero zero.


Interpretação de Sara Alves

Essa casa pode ser comparada a um útero onde a crinça se encontra durante a gestação . Um ambiente agradável, onde não a teto, parede ou pizo, mas é um lugar onde a criança se sente bem, recebe o carinho, o amor dos pais e famíliares . Apesar de não ter paredes com tornos para colocar rede, a criança é embalada por sua mãe todos os dias, ouvindo canções e recendo carinho .
Quando o autor fala no poema " Na rua dos bobos número zero "  esse  "Zero" pode ser comparado ao o formato da barriga da mãe .




Links para utlização em trabalhos relacionados:


http://www.viniciusdemoraes.com.br/site/


www.mpbnet.com.br/musicos/vinicius.de.moraes/index.html


domingo, 10 de abril de 2011

Ciranda da Bailarina

Ciranda da Bailarina é um poema de Chico Buarque de Holanda, musicado pelo próprio escritor em parceria com Edu Lobo. Esse poema foi também gravado por outros interpretes como, Adriana Calcanhoto, Sandy, entre outros. O poema expõe o ser perfeito que uma bailarina aparenta ser, sempre tão linda a dançar com sua postura imponente e seu sorriso inspirador, sua fala é tão baixinha e correta, dentre outras coisas pertinentes.


                             Ciranda da Bailarina  Chico Buarque de Holanda

Procurando bem
Todo mundo tem pereba
Marca de bexiga ou vacina
E tem piriri, tem lombriga, tem ameba
Só a bailarina que não tem
E não tem coceira
Berruga nem frieira
Nem falta de maneira
Ela não tem
Futucando bem
Todo mundo tem piolho
Ou tem cheiro de creolina
Todo mundo tem um irmão meio zarolho
Só a bailarina que não tem
Nem unha encardida
Nem dente com comida
Nem casca de ferida
Ela não tem
Não livra ninguém
Todo mundo tem remela
Quando acorda às seis da matina
Teve escarlatina
Ou tem febre amarela
Só a bailarina que não tem
Medo de subir, gente
Medo de cair, gente
Medo de vertigem
Quem não tem
Confessando bem
Todo mundo faz pecado
Logo assim que a missa termina
Todo mundo tem um primeiro namorado
Só a bailarina que não tem
Sujo atrás da orelha
Bigode de groselha
Calcinha um pouco velha
Ela não tem
O padre também
Pode até ficar vermelho
Se o vento levanta a batina
Reparando bem, todo mundo tem pentelho
Só a bailarina que não tem
Sala sem mobília
Goteira na vasilha
Problema na família
Quem não tem
Procurando bem
Todo mundo tem…



Links de apoio:
http://natrodrigo.wordpress.com/2009/07/27/ciranda-da-bailarina/
http://carloskater.com/?p=250

José "E agora José?"

José é um poema de Carlos Drummond de Andrade, musicado por Paulo Diniz que obtem o nome "E agora José?". A figura de José vem nesse poema, justamente como representação de um problema coletivo. O poema todo está centrado na reflexão sobre a existência de José que resiste e segue vivendo. Começa e termina de forma interrogativa o que vem enfatizar o problema do direcionamento da existência.


                            José                                                                    
                                                                              Carlos Drummond de Andrade

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, Você?
Você que é sem nome,
que zomba dos outros,
Você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio, - e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse,
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse....
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja do galope,
você marcha, José!
José, para onde?





Este agora na voz de Carlos Drummond de Andrade

A Rosa de Hiroshima

A Rosa de Hiroshima é um poema de Vinícius de Moraes, musicado por Gerson Conrad na canção A Rosa de Hiroshima da banda Secos e Molhados. Fala sobre a explosão atômica de Hiroshima. O poema alude aos Bombardeamentos de Hiroshima e Nagasaki da Segunda Guerra Mundial.

A Rosa de Hiroshima



Vinícius de Moraes

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada



video

Link para melhor aproveitamento do conteúdo deste poema. No mesmo link,
temos o poema A bomba(Carlos Drummond de Andrade), dedicado também ao assunto.
http://www.sitedeliteratura.com/Noticias/2008/bomba.htm